domingo, 1 de julho de 2018

Machine glows


Ainda no início de estarmos aqui em casa, lembro-me do dia em que estava farta e saturada de tudo e todos. Não tem sido nada fácil, por vezes zangamo-nos todos uns com os outros, fartamo-nos de ouvir opiniões aqui e ali quando a casa é nossa e se errarmos (e já erramos muito) o problema é nosso, e enquanto nada está concluído é tudo uma pagina em branco. Não tivemos um arquitecto nem conseguimos pensar em exactamente todos os pormenores sozinhos, há sempre coisas que não estávamos à espera, coisas com que nunca lidámos e desde as paredes a canalização, instalação dos materiais e electricidade fomos sempre nós. Muitas vezes só quando nos deparamos com a situação é que pensamos nela.
Depois ele chateia-se porque eu não disse nada, ou porque não me lembrei de colocar ali uma tomada antes. Eu chateio-me porque ele não me perguntou antes de fazer e eu é que sei porque sou eu que vou usar...


Enfim, adiante.

Estava eu com uma neurose aguda sentada, na cozinha (claro não tínhamos sala). Olhei para a máquina de lavar loiça que deve ter uns 53 anos (comprámos também no Olx numa altura em que todos os electrodomesticos avariaram e eu achei que ia lavar loiça à mão até as múdas entrarem na faculdade).


Há muita coisa que eu faço aqui em casa, não faço paredes nem canalização ou electricidade, mas já abri muitos roços para passarem os tubos, parti paredes, cavei... muito. Mas por vezes sinto-me cansada e impotente por não conseguir fazer mais.
Por isso ao olhar para o raio da maquina, peguei num esfregão de arame da loiça, lixei a ferrugem, colei fita isoladora no painel e pintei tudo a spray.

Estava irritada com a vida e a máquina sem culpa saiu-lhe a sorte grande. Ficou com uma cara lavada e com aspecto para durar mais 20 anos (era bom, sim).




ignorem o chão, nos próximos posts garanto que isto ficou pior


Toda esta cozinha era um charme, a sala fica do outro lado do pano verde e ainda não tinha telhado. O andaime ainda estava no meio da zona de passagem e já tínhamos as janelas colocadas porque eu achava que ficávamos mais seguros...
Um charme toda esta divisão. Mas pelo menos a máquina tinha ficado com bom aspecto.

E eu fiquei mais aliviada, porque enquanto estava a pintar e a penar naquilo não estava a pensar noutra coisa, porque não fiquei de braços cruzados a olhar para o boneco e porque a maquina custou-me 40 eur há coisa de 6 anos, ainda lava e ficou cheia de bom aspecto.

3 comentários:

Maria João disse...

Apesar de ser o miolo que conta, a cara lavada ajuda muito! Em frente Lucia!

Val disse...

Olá Lúcia, estou a precisar fazer isso à minha! Também tem anos e canos a máquina, mas ao contrário de ti, vontade de empandeirá-la não me falta, pois raramente meto lá a loiça. É que até gosto de lavar a loiça, vê-lá tu (há doidos pra tudo), irrita-me mais ter de colocar pratos e copos na máquina. Mas entendo a tua garra e a tua satisfação depois que fizeste o trabalho: sentiste-te útil e riscaste mais um ponto do check list. Beijinho.

Anónimo disse...

Durante muito tempo ia abrindo este blog para ver se havia novidades, cheguei mesmo a pensar que nunca mais irias escrever, mas não sei porquê, cá vinha eu mais uma vez e ainda bem!
Muito poderia escrever, acho que nunca comentei o blog em anos, mas gosto de ti e dos teus, não me perguntes porquê, mas gosto e gosto de saber que estão bem.

Gostava tanto que morássemos perto uma da outra, para podermos trocar ideias e quem sabe até trabalharmos juntas em remodelações. O meu marido é profissional da área mas muitas vezes viemos “à tua casa” tirar ideias e inspirações.
Admiro-te por toda a tua resiliência e admiro o teu marido por embarcar nas tuas “invenções “ :)
Desejo-vos toda a sorte do mundo e quem sabe, um dia que vá passear para a tua zona, possa ver a tua casa ao vivo e a cores e trocarmos umas quantas ideias :)

Roxygirl