sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Yeeehhhh!!

Dizem que a felicidade dura mais se não contarmos a ninguém, eu não acredito muito nisso. Se ligarmos a televisão nas notícias o que não falta são desgraças, se falarmos com alguém há sempre lamentos, por isso gosto de boas notícias, saber que alguém está feliz que também há muita coisa boa à nossa volta.

Ontem foi um dia muito bom. Um dia que eu já aguardava há algum tempo cheia de nervos.

Consegui finalmente tirar a carta de condução!
Confesso que nunca gostei de conduzir, nunca achei piada... adoro andar de carro, fazer viagens parando aqui e ali, tive a sorte de que o meu marido adora conduzir e tive uma amiga com quem eu saia imensas vezes, ela adorava conduzir e eu andar de carro. Foram várias as vezes em que ela me ia buscar ao emprego ao fim da tarde e andámos a passear sem rumo por lisboa.

Não tirei a carta de condução por mim, continuo a não gostar de conduzir acho horrível tirar e pôr mudanças, mas custava-me imenso estar em casa e não poder levar as minhas filhas onde me pediam porque o pai não estava em casa. Quando eram convidadas pelas amigas para uma simples festa de aniversário tinham que recusar porque o pai não estava em casa, e até mesmo eu tinha que recusar imensas vezes ir aqui ou ali porque ele não estava em casa.
Por elas tudo vale a pena e a mãe lá foi.




Escola de condução Porto Alto, no Entroncamento, adorei a simplicidade e simpatia de todos sem excepção, são óptimos profissionais e os preços super atractivos.
Adorei o Luís com o seu ar concentrado e muito sério, ao entrar na sala a primeira vez pensei " isto vai ser mesmo bom.... que raio de seca vou apanhar aqui" com o tempo percebi que ele é exactamente a primeira impressão que as pessoas têm de mim. Mal encarada, com a mania que é esperta, sisuda e por aí fora.
As aulas tornaram-se interessantes, adorei o método de ensino que acabava por ser divertido de vez em quando ele com o seu ar sério dizia cada uma que ninguém esperava e não era só eu que me ria, mas por vezes tinha mesmo que esconder a cara. Aulas assim valem a pena. Ao contrário do que eu pensava, ele gostava que apresentasse-mos dúvidas, caso contrário ele não estaria ali a fazer nada e por mais absurdas que fossem nunca me chamou de "loira" (se calhar pensou... mas não disse).
O João é o rapaz simpático da secretaria que pede os exames e só não faz mais se não puder, deve ter uma cabeça incrível sabia o meu número de processo de cor e estive lá durante 2 anos.

Foi estudar e passar no exame de código, esse foi à primeira.

Entre o Jorge (que parecia ser pouco mais velho que eu e que coitado aquele coração nunca mais será o mesmo tal foram os sustos que lhe preguei, mas sempre muito divertido, por levar tudo na brincadeira deixava-me animada) e o Daniel (já mais experiente e aventureiro sem medo da morte com mais de 20 ossos partidos) as aulas prácticas de condução foram exaustivas, não havia meio de fazer reduções sem solavancos, nem travagens suaves... coitados, iam sempre dizendo que ainda havia solução para mim.

Quando pensei que a coisa já estava mais ou menos resolvida, chumbei a primeira vez ao fim de 5 minutos a conduzir. Bati com a roda num passeio ao fazer uma curva. O Luís era quem ia comigo no carro, quando lhe perguntei se tinha estragado alguma coisa, assim que o examinador me mandou passar para trás, olhou para mim com uma expressão que não me hei-de esquecer, foi qualquer coisa como "Cala-te pah estavas a ir tão bem como é que fizeste uma coisa destas!!" ele puxa mesmo pelos alunos, ficou zangado e eu fiquei furiosa por ter sido tão estúpida, sempre medi bem as distâncias até em estradas apertadas.
A segunda vez então foi para esquecer... vou com o Daniel sempre sereno, o caminho todo a coisa corre bem, ele diz que eu subi um passeio quando parei num stop, eu não dei por nada e o examinador não abriu a boca. Deixei o carro ir abaixo 3 ou 4 vezes porque não queria arrancar dali tipo "velocidade furiosa", furiosa já estava eu, e com uma pilha de nervos. No fim páro para um camião fazer a manobra e quando o examinador me pergunta o que estou a li a fazer mudo imediatamente de direcção como ele tinha pedido. Mudei mas com os nervos não contornei a placa e entrei como se fosse em sentido contrário. Antes de me chamarem nomes, sei que não fui a primeira nem a única a fazer o mesmo naquele local... Embora não me sirva de consolo sinto-me menos burra.a  Enviei uma mensagem o para o Luís a chorar como uma desalmada (eu só choro por dois motivos ou pelas minhas filhas ou por qualquer coisa parva). Disse que desta vez não tinha estragado o carro mas que tinha chumbado na mesma, que nunca mais voltava a passar pelo mesmo, acabou-se. Eles estava de férias e ligou-me imediatamente , muito calmo diz-me que desistir é para os fracos e para lá passar na segunda feira de manhã. 
A terceira foi de vez.... correu bem, o examinador disse-me que se tivesse acabado de almoçar tinha deitado tudo para fora, mas que respeitei as regras e tenho que controlar a velocidade (acho que é problema de família).

Agora vai o rebanho para todo o lado! As pitas já podem ir ao cinema, às festas de aniversário das amigas, a mãe pode ir às compras sem ter que esperar pelo pai.

O pai, esse ainda há-de implorar para ir comigo às compras. Conduzir com ele ao lado não, obrigada.



Vocês, podem gritar, apitar, chamar nomes até à minha quinta geração cá para mim é igual! ;)
Acho que vou colar uma cartolina no vidro a dizer que tenho a carta há uma semana, duas semanas e assim sucessivamente, só naquela pode ser que façam o desconto.


Estou super contente, e agradeço a dedicação de toda da escola, não ganho nada com isto já paguei a carta mas desde os grandes profissionais, aos preços pequenos vale a pena passar por lá.






14 comentários:

Sofia Garrido disse...

Muitos parabéns, Lúcia!
Tirar a carta nunca foi uma prioridade para mim, tanto que ainda não a tenho! Sempre vivi no centro de Lisboa com o metro quase à porta de casa e isso contribuiu para que eu tivesse sempre muita mobilidade sem as preocupações com trânsito e estacionamento, e fui deixando andar... mas já desde o ano passado que ando a dizer que não posso continuar mais a carta, tanto por motivos profissionais como pessoais, pela independência e também já penso como vai ser quando tiver filhos... :)
Só tenho medinho de já ir tirá-la tarde e não me sair muito bem ou ganhar medo de conduzir, haha!

Beijinhos,
--
Sofia | Monochromatic Wave

Anabela (Aproveitar a Vida) disse...

Que grande lutadora! É assim mesmo.

Por aqui a questão da condução teve uma história um tanto ou quanto semelhante. Tirei bem a carta à primeira mas depois passei a conduzir o carro do meu pai e não atinava com aquilo. Comecei a ganhar medo e não conduzi durante 3 anos. Até que juntei algum dinheiro e comprei um carro. Meti na cabeça que tinha de perder esse medo. E assim foi. Dos melhores sentimentos, conseguirmos ultrapassar as nossas dificuldades. Falta dizer que a minha mãe (coitada) apanhou uns valentes sustos! ;)

Bjs e bons passeios!

home living for disse...

Sofia, comigo também era assim, vivia em Mem-Martins perto da estação nunca tive grandes problemas com transportes, ia para todo o lado. Agora aqui com elas no meio da aldeia é que estava mesmo a fazer falta!

Espero que tires e que corra tudo bem à primeira! Sem dúvida que quem nos ensina também ajuda muito a perdermos o medo e a confiarmos em nós próprias.
Um beijinho

home living for disse...

Anabela, o primeiro que carro em que andei na escola era a gasolina, a cada stop deixava o carro ir abaixo! Imagina isto no Entroncamento!! Ahahah, felizmente renovaram a frota toda e estes carros são óptimos (e a gasóleo!!).
O meu carro é um jipe, no início disse logo que íamos ter que trocar de carro, mas agora conduzo-o muito bem, gosto de carros grandes e não me estava nada a ver num pequenino... Por outro lado este jipe está-nos a dar muita despesa e queremos trocar por uma monovolume.
Beijinhos

faz bem aos olhos disse...

Boa Lúcia, parabéns!!! Eu tenho a carta mas... não conduzo. Tirei a carta dois anos antes de vir morar para o Porto e sempre conduzi, mas quando cá cheguei achei que por aqui conduziam que nem doidos. Ficava toda nervosa, e como estava grávida achei melhor não insistir. Até hoje, já lá vão dezassete anos e nunca mais conduzi, ando de metro para todo o lado. Mas sabes, tenho pena e ultimamente, precisamente pelas mesmas razões que apontas, começo a pensar que devia voltar a conduzir. Talvez, quiçá, não sei. bjs*

Vanessa Santos disse...

Olá Lucia.Acho que fizeste super bem. A nossa independência é sempre muito importante.
Eu tirei logo aos 18 anos,fui trabalhar e paguei a carta. Queria fazer tudo à primeira e tirei durante os 3 meses que trabalhei nas férias. Na altura os preços eram bem mais elevados. Gosto de conduzir, mas o transito em Lisboa é caótico. Há uns anos tive um acidente grave, e ainda assim, passado uma semana já estava a conduzir outra vez.
Neste momento só temos um carro e já não conduzo há meses. Não tem sido fácil para mim.Detesto depender dos outros e por isso faz-me realmente muita falta ter o meu carro. Vais ver que com o tempo vais gostar mais e qualquer dia já nem imaginas a tua vida sem esta conduzir.
Beijinhos querida

Marta Moura disse...

Muitos parabéns!

Maria João disse...

Boa Lúcia! Parabéns. Segue me frente e leva as criaturas onde elas quiserem que elas vão ficar super felizes! Eu tenho carta há 20 anos e nunca conduzi... mentira: conduzi uma vez, a fazer uma manobra, subi um passeio, bati numa parede e jurei para nunca mais!

Bela Dina disse...

Muitos parabéns Lúcia!
Agora vais pensar que já havias de ter tirado a carta há muito mais tempo! :)
É tão bom não dependermos de nada nem de ninguém para irmos para onde queremos ou precisamos.

Carina disse...

Muitos Parabéns!
Afinal moramos pertinho!
Felicidades :)

Lulu walkingonsunshine disse...

Muitos parabéns Lucia :)
Então sempre conseguiste, é tão libertador.
Sempre foi um dos meus objectivos tirar carta antes de ter filhos,pois fazia me sempre impressão ver senhoras no autocarro com crianças ao colo e com compras .
Tirei carta com 19 anos e gosto de conduzir mas adoro mais quando me conduzem .Não há como ver as vistas ;)
Aproveita bem e paseia muito com as tuas filhas e quando eu for ai, já temos maneira de nos encontrar eeheheheh
bjs
Lulu

carla capricho disse...

Tenho uma história parecida , tirei a carta há poucos anos porque também não gostava de conduzir e confesso que me fui habituando a ter sempre alguém que me levasse aqui ou ali .
Conduzi o primeiro ano em que tirei a carta , depois fui encostando, encostando e já há 4 anos que não pego no carro ...
Por isso não faças como eu , que agora sinto que preciso de aulas de condução novamente para pegar no carro com confiança !!!

Muitos parabénssssssss :)))
beijinhos

O Biquíni Dourado disse...

Parabéns! Vais ver que é uma sensação sem igual, a de ter carta... carro! =D
Que comece a aventura!

Anónimo disse...

Olá Lúcia,
Muitos Parabéns!....
Tudo de bom, cuidado contigo mas principalmente com os outros....
Bj grd...
Teresa C.